16 de novembro de 2016

ROCK 'N' ROLL LISBON HALF MARATHON | WHAT NOT TO DO!

16.11.16

Não sei como é convosco, mas eu quando recebo convites para eventos desportivos, só não aceito se não puder mesmo! E foi partindo deste pressuposto que na semana antes do Porto Granfondo decidi aceitar o convite da Mimosa para participar na Meia Maratona Rock "n" Roll de Lisboa.


Tudo muito bonito, não fosse aquele pequeno pormenor de que eu não tenho treinado corrida, nos últimos tempos foram treinos com a bicicleta com vista à participação em granfondos e algum ginásio para fortalecimento muscular, agora treino especifico para correr uma meia maratona... nada! Mas como querer é poder, decidi que iria fazer os 21,1 kms, já a Sara foi um bocadinho mais inteligente e participou na mini-maratona.  

Quando queremos participar em eventos desportivos, devemos sempre fazer uma correcta preparação física para o mesmo, digo devemos porque nem sempre isso é possível, seja por factores profissionais ou familiares, no meu caso normalmente são os dois. Essa preparação é essencial na prevenção de lesões, já para não falar que evita sofrimento desnecessário durante a prova.

Mais uma vez contra todas as adversidades do dia a dia, lá estávamos nós na linha de partida em cima do tabuleiro da ponte Vasco da Gama, isto de ter dorsais VIP'S tem as suas vantagens e no nosso caso tivemos direito a um autocarro que nos deixou na linha da frente, com milhares de outros atletas nas nossas costas prontos a voar através de nós assim que fosse dado o tiro de partida.


Ficou previamente combinado que cada um seguiria no seu próprio ritmo e que nos encontraríamos na linha da chegada e assim foi... Após a partida segui em ritmo moderado, deu para apreciar a vista sobre o rio Tejo e a zona do Parque das Nações em toda a sua extensão. Continuo a ficar impressionado com o ritmo dos atletas da frente, ainda eu estava a começar a descer e já os primeiros se encontravam ao nível do mar, eles não correm, simplesmente voam baixinho.


Os meus primeiros kms são sempre de adaptação, principalmente muscular, devido à falta de treino especifico, mas lá consegui encontrar o meu ritmo, deu para curtir a musica rock das bandas e desfrutar do apoio na beira da estrada, pelo menos nesta zona da cidade, já que mais para a frente na corrida o publico era mínimo, com excepção de alguns turistas que nitidamente estavam lá por causa de amigos que naquele momento corriam. Ingenuamente pensei que a falta de treino não se faria sentir até final da corrida.

A partir do km 10 começou a minha luta! Uma luta psicológica de mim para mim, o peso das pernas, devido ao impacto da corrida, começou a fazer-se sentir e o meu ritmo iniciou o seu processo de abrandamento. Após a viragem junto ao Jardim do Tabaco, comecei verdadeiramente a ficar alarmado, já tive dias maus a correr mas nunca assim, o calor também não estava a ajudar. Ainda foram algumas as pessoas paradas na beira da estrada completamente esgotadas.

A partir deste momento o meu único pensamento seria o de "não posso parar" isso e uns quantos palavrões de mim para comigo! Reduzi substancialmente o meu ritmo e iniciei uma tortuosa viagem de 6 kms até à meta, de vez em quando olhava para o meu Runner3 da Tomtom só para confirmar que a velocidade era cada vez menor, mas como desistir não estava nos planos lá me fui arrastando.

Os dois últimos kms, já no Parque das Nações, foram tortuosos e ao mesmo tempo deliciosos, acho que em Portugal nunca vi tanto publico a incentivar e apoiar os atletas e depois tive a prazer de ter o meu pai a correr ao meu lado até à linha de meta. Obrigado Pai por este "empurrão final"! No final acabei por terminar com 2h06m de prova.


Hoje e fazendo uma retrospectiva rápida da corrida, posso afirmar com toda a certeza, que se não fosse pelos abastecimentos da organização, principalmente o reforço através da suplementação, o meu corpo não teria aguentado até ao fim.


Queria só deixar uma nota ao casal que a 100m da meta quase me fez cair com um encontrão, pois à semelhança dos milhares de atletas, correram os 21 kms e não foi por quererem passar por cima de tudo e de todos e tirar alguns segundos ao vosso precioso tempo que ganharam o que quer que seja! Antes da próxima corrida treinem mais e assim têm toda a meia maratona para melhorar o tempo e não apenas os 100m finais! Ganharam apenas em falta de civismo.

Apesar de tudo, é sempre um prazer cortar a linha de meta depois de tamanho esforço físico e poucos minutos depois já só pensava em ir participar na meia de Madrid.





I do not know how it is with you, but when I receive invitations to sporting events, I just can not say no! And it was starting from this assumption that in the week before Porto Granfondo I decided to accept Mimosa's invitation to participate in the Lisbon Rock 'n' Roll Half Marathon.

All very beautiful, were not for that small detail of which I have not trained for any type of running, in recent times i've been training with the bicycle  to participate in granfondos and some gym for muscle strengthening, now specific training to run a half marathon... nothing ! But since wanting is power, I decided that I would do the 21.1 kms, Sara was a little smarter and participated in the mini-marathon.

When we want to participate in sporting events, we must always make a correct physical preparation for the same, I say we must because it is not always possible, whether by professional or family factors, in my case usually they are both. This preparation is essential in the prevention of injuries, not to mention that it avoids unnecessary suffering during the race.

Once again against all the day by day adversity, there we were in the starting line on the top of Vasco da Gama bridge, this of having VIP's numbers has its advantages and in our case we were entitled to a bus that left us on the front line, with thousands of other athletes on our backs ready to fly through us as soon as the starting shot was given.

It was previously agreed that each one would run at their own pace and that we would meet at the finish line and so we did ... After the start I continued in moderate pace, having me time to appreciate the view over the Tagus river and the area of Parque das Nações in Its full extent. I continue to be impressed by the rhythm of the front athletes, I was still starting to descend and the first ones were already at sea level, they do not run, they just fly low.

My first kms are always adaptive, mainly muscular, due to the lack of specific training, but when I was able to find my rhythm, gave time to enjoy the rock music of the bands and enjoy the support at the roadside, at least in this area of ​​city, since later in the race the public was minimal, except for some tourists who were clearly there because of friends who were running at that moment. I naively thought that the lack of training would not be felt until the end of the race.

After the 10 km mark my fight began! A psychological struggle from me to me, the weight of my legs, due to the impact of running, began to make it self feel and my rhythm began its slowing process. After the turn near by Jardim do Tabaco I began to really get alarmed, I've had bad days running but never like this, the heat was not helping either. There were several people standing by the roadside completely exhausted.

From this moment my only thought would be "I can not stop" and a few profanities from me to me! I reduced my pace substantially and started a tortuous journey of 6 km to the finish line, from time to time I looked at my Tomtom Runner3 just to confirm that the speed was lowering, but since giving up was not part of the plans, I began the dragging process.

The final two kilometers, already in Parque das Nações, were tortuous and at the same time delicious, I think that in Portugal I never saw so much public to encourage and support the athletes and later I had the pleasure of having my father running to my side until the finish line. Thank you Dad for this "final push"! In the end I finished with 2h06m of race.

Today and doing a quick retrospective of the race, I can say with certainty that if it were not for the organization's supplies, especially reinforcement through supplementation, my body would not have endured until the end.

I wanted to just leave a note to the couple that 100m from the finish almost made me fall with a bustle, because similar to the thousands of athletes that ran the 21 kms, it wasn't because you wanted to get over everything and everyone and take a few seconds to your precious time that you here gaining something more! Before the next race train more and you will have the whole half marathon to improve the time and not just the final 100m! You only won in lack of civility.

In the endl, it's always a pleasure to cut the finish line after such a big physical effort and a few minutes later I was only thinking about going to Madrid.

Sem comentários: